Minha Área

Moradia protegida

19 de Fevereiro de 2015

Publicado em Meu bolso por Minha Área | Nenhum comentário

Nem todo mundo considera o quão importante é contratar um seguro residencial. Veja como e por que fazer um

Se contratar um seguro de automóvel é algo bastante aceitável para o brasileiro, no caso de segurar a casa ou o apartamento ainda há muitas dúvidas. Nem todo mundo leva em conta que este tipo de seguro é tão importante quanto qualquer outro, talvez até mais, afinal, a partir de um pequeno valor mensal você põe no seguro um dos bens mais importantes que normalmente alguém adquire: a moradia.

Estimativas apontam que apenas 10% das residências no Brasil possuem esse tipo de seguro. Por apenas 0,05% do valor do imóvel, porém, o seguro residencial pode garantir que não se perca o bem (ou o valor correspondente a ele) no caso de incêndios, vendavais, inundações e outros incidentes. Também pode garantir que não se perca o que está dentro dele.

Ou seja, dá para segurar o apartamento e os objetos importantes que lá estão. Assim, se ocorrer um roubo ou furto no apartamento, o seguro cobrirá. É claro que cada apólice funciona de uma forma, e é importante comparar e ver o que cada tipo oferece antes de contratar.

De acordo com o corretor de seguros Marcelo Gandolfo, que trabalha no ramo há 12 anos, a procura por seguros residenciais ainda é baixa no mercado brasileiro, mas vem crescendo em razão de maiores incidências de roubos e danos elétricos.

“Estamos vivendo em um mundo onde é normal cogitarmos sermos roubados ou assaltados, e esse é o principal motivo pelo qual as pessoas estão começando a procurar esse tipo de seguro. Além disso, há muitos acidentes elétricos que causam curto-circuito e o seguro é uma segurança caso isso aconteça.”

Coberturas extras

Além da função principal, que é segurar o patrimônio e os bens, um seguro residencial normalmente também conta com uma série de serviços extras, como uso de encanador, eletricista, e até requisição de pessoal especializado para a montagem de prateleiras ou instalação de chuveiro. Em muitos casos, o simples fato de o morador usar algumas vezes estes serviços já ajuda a cobrir o custo anual do produto.

A professora aposentada Cleide Biancardi tem o seguro há mais de dez anos e diz não abrir mão do serviço.

“Faço seguro residencial desde que as companhias seguradoras instituíram essa modalidade no Brasil. Acho que é uma das formas mais garantidas de recuperar parte do patrimônio material em caso de acidentes, catástrofes naturais e roubos. Felizmente precisei recorrer poucas vezes a esse serviço, mas em todas elas compensou o investimento, por sinal bem pequeno se comparado aos valores dos bens segurados.”

Quanto custa

O custo de um seguro residencial varia muito, pois depende do valor do imóvel, localização e várias outras coisas, como se alguns bens – como computadores e joias – também serão cobertos pelo seguro. É preciso avaliar o caso individualmente com um corretor ou empresa especializada.

Normalmente, o investimento compensa e é muito menor do que se pensa. “Os valores variam muito, mas existem apólices em que o cliente paga R$ 300 por ano e o valor pode ser parcelado. As condições de pagamento variam de seguradora para seguradora”, explica Gandolfo.

Antes de contratar

  • Avalie se quer segurar apenas o apartamento ou garantir ressarcimento no caso de roubo de bens
  • Cote preços e compare as coberturas de acordo com a necessidade
  • Procure um profissional de confiança e que tenha experiência
  • Analise a idoneidade e a credibilidade da companhia de seguros. São pontos fundamentais

Tags: ,

Deixe um comentário

Tem de ter a sessão iniciada para publicar um comentário.

Minha Área - 2012 - Todos os direitos reservados.

Hotvia